Un día de soledad

Trip Start Nov 14, 2007
1
13
20
Trip End Ongoing


Loading Map
Map your own trip!
Map Options
Show trip route
Hide lines
shadow

Flag of Brazil  ,
Friday, December 28, 2007

Não foi nada fácil chegar a Maceió para o ano novo. Deixei a Praia do Forte no final da tarde do dia 27, esperando chegar lá na manhã do 28. Mas só chegar à rodoviária de Salvador já foi bem difícil, tive de ficar uma hora à beira da estrada esperando o ônibus passar. O segurança do condomínio veio me ajudar, trazendo uma lanterna que usava para acenar para todos os ônibus que passavam - era impossível identificá-los até que parassem ou fosse tarde demais. Finalmente consegui, mas os ônibus para Maceió já estavam todos lotados. Ainda dei sorte de conseguir um para Aracaju, mas perdi as esperanças de dormir razoavelmente, o ônibus partia à meia-noite e chegava às quatro da manhã. Cheguando à rodoviária de Aracaju fui verificar os guichês de venda de passagens - todos desertos - e então pedi informações lá no saguão. Como me disseram que havia um ônibus para Maceió pouco antes das sete e que o guichê abriria às seis, fiquei fazendo hora por ali até faltarem dez para as seis, então me dirigi novamente ao guichê para encontrar duas pessoas já esperando por sua abertura e ser informado dez minutos depois que só havia mais duas passagens para Maceió, aonde é claro que os dois simpáticos homens que chegaram depois de mim à rodoviária de Aracaju mas antes à fila do guichê queriam ir. Apesar de serem duas capitais próximas, há pouquíssimos ônibus diários que ligam Aracaju a Maceió, e o próximo a ter vagas saía só à meia-noite...
Depois de passar um tempão pensando como seria divertido passar um dia inteiro em Aracaju morrendo de sono e sem tirar a mochila das costas, resolvi dar uma passadinha na antiga capital do estado, São Cristóvão, que é vizinha. Tomei um ônibus ali ao lado da rodoviária e fui para lá. É até uma cidadezinha razoavelmente interessante, mas realmente não consegui explorar muito suas ladeiras carregado. E para piorar, às nove horas da manhã o sol já estava insuportavelmente quente, decidi voltar rapidinho a Aracaju. Nem fotos consegui tirar porque minha câmara deu piti. Deve ter entrado areia em alguma praia, mas um dia ela se recupera. Essa aí já andou no Saara e se recuperou, não será uma praia a dar cabo dela.
Quando voltei à rodoviária ainda pensei em ir a Laranjeiras, que dizem ser um museu a céu aberto e também é uma cidade bem próxima, mas os ônibus para lá saíam só da rodoviária velha e eu estava na nova... Só não sei para quê uma cidade do tamanho de Aracaju precisa de duas rodoviárias quando as capitais vizinhas que são bem maiores só têm uma. Decidi então escutar meus ombros e ir mesmo ao shopping. Peguei um ônibus que dizia ir para lá, dei várias voltas pela periferia de Aracaju e fui parar no meio do nada, onde tive que ficar esperando um tempão para o mesmo ônibus sair no outro sentido, passar pela rodoviária de novo e então se dirigir ao shopping. Beleza de placa informativa, mas não reclamo - ajudou a passar o tempo.
O tempo restante, ainda muito, gastei todo no shopping, na internet, na livraria e no cinema, aonde fui ver 'Love in the time of cholera', baseado no livro do Gabriel. De início já achei muito estranho o filme ser falado em inglês, mas resolvi dar um crédito a ele e supor que havia alguma razão lógica para isso. Achei o filme em sua maior parte bastante arrastado e chato, mas gostei do final. E na verdade achei que o final só ficava bom porque toda a chatice de antes dava sentido a ele, então comecei a achar o filme bom. Depois fui pesquisar e vi que não havia (pelo menos não encontrei) nenhum motivo para ser falado em inglês, então comecei a achar o filme ruim de novo. Mas serviu bem para passar duas horas e meia. Aposto que ficar sem fazer nada seria ainda mais arrastado e chato.
Report as Spam

Comments

erikapessoa
erikapessoa on

My Movie Compatibility
Chato?!?!?!? Como assim chato?!?!?!
E é porque o My Movie Compatibility do Facebook diz que nós somos 'Best Friends' ...

Eu realmente nunca confiei em nada dito ou analisado por um programa de computador...sabe-se lá que tipo de gente que os faz =p

babsy
babsy on

delay
Peraí, sou eu que leio seus posts com 15 dias de atraso ou vc é que escreve com distanciamento histórico?? =D

ganesha_v
ganesha_v on

O novo que virou velho
Nossa até eu só de ler já fiquei cansada desse día de soledad...

Pois bem... posso te dar uma explicação mais ou menos do porquê que grandes capitais possuem uma rodoviária e Aracaju por ser pequena tem logo 'duas'...Provavelmente essas duas rodoviárias de Aracaju possuem características distintas, mas depois você me confirma se estou certa: a nova que você diz deve ser de trajetos interestaduais e a velha de trajetos intermunicipais e locais. Laranjeiras é município do estado de Sergipe (cuja capital, Aracaju, você se encontrava). Agora, por exemplo, em Recife provavelmente há muito mais 'rodoviárias' do que você pode imaginar, pois todas aquelas que eram 'novas' hoje ficaram velhas e se tornaram até pequenos terminais de ônibus locais (como aquele perto do Mercado São José, que deveria ter sido uma grande rodoviária num passado bastante distante). E na verdade, a rodoviária de lá mesmo, é a maior, de onde partem os ônibus interestaduais. O Rio mesmo já deveria ter uma outra rodoviária...
Isso tudo porque à medida que as cidades vão crescendo começam os problemas de circulação e antigas rodoviárias já não suportam grandes linhas e como geralmente estão situadas no núcleo de formação dessas cidades e este vai se ampliando, não tem nem como ampliar essa rodoviária dita 'velha'(no Rio foi diferente, mas não se distanciou muito disto, não. E aí a necessidade de transposição dela para áreas em expansão.

Bom, não sei se este é o caso da relação Aracaju e municípios/estados, mas é o que acontece na grande maioria.

Beijo

marja
marja on

Tempo
Hoje senti falta de um pouco mais de filosofia e penso que você poderia nessas suas viagens versar um pouco sobre: gastar o tempo X aproveitar o tempo X desfrutar o tempo. Acho que essa questão da relação do tempo com as atividades desenvolvidas toma um aspecto mais aguçado quando estamos fora do nosso ambiente e atividades normais ...

renard
renard on

Re: delay
Pois é, raramente consigo postar aqui em dia. Mas vou tentar diminuir um pouco o distanciamento, pode deixar. :)

renard
renard on

Re: Tempo
Ah, mas pensar assim sob encomenda é complicado, o pensamento tem que ser livre para ser produtivo. Ou não, isso também serve de desculpa para o caso de eu não conseguir nenhuma conclusão útil sobre o assunto. :) Vou mantê-lo em minha cabeça, quem sabe?

Add Comment

Use this image in your site

Copy and paste this html: