No love for life

Trip Start Jun 16, 2010
1
403
600
Trip End Dec 31, 2012


Loading Map
Map your own trip!
Map Options
Show trip route
Hide lines
shadow
Where I stayed
@ boat between Komodo and Rinca

Flag of Indonesia  , East Nusa Tenggara,
Saturday, July 23, 2011

 

Mas que grande palerma!

23 anos...boto aqui uma de 100.000 Rupias como o rapazola não chega ao quarto de século.

Tudo bem que é um entusiasta, e tal, gosta muito de natureza e bichos e está estagiar mas...escusado é estar com um pau a atiçar dragões, como profissão. Os guias normalmente são pessoas com cérebro, consciência e responsáveis pela própria saúde e dos outros que acompanham pela breve sessão (“ah, existem três tracks que podemos fazer, mas vamos fazer o do meio porque – mute: não me está nada a apetecer caminhar mais uma vez durante 4 horas porque não me pagam para isto e porque não há assim tantos dragões para eu esganar, de volta ao som e porque – é o mais interessante”. Claro que sim) pelo parque natural que cobra dinheiro pela preservação e...pela utilização de máquinas fotográficas. Toda a gente sabe que as máquinas fotográficas sugam a natureza, os aminais, as árvores e retiram-lhes as cores. Já vi paisagens a preto e e branco, por tão turísticas que eram...por favor. Dá para fazer o número da câmera na mochila, mas não desta vez.

E é assim que somos apresentados ao tal guia e ao seu entusiasmo pelo parque natural, casa de cerca de 1.300 dragões de Komodo (mais os cerca de 1366 de Rinca, é praticamente tudo o que resta desta espécie em vias de extinção (http://en.wikipedia.org/wiki/Komodo_dragon )), os maiores repteis do mundo. O sr. guia faz-nos o bla-bla-briefing sobre o que vamos ver e os cuidados a ter. Talvez ao inicio a porta dos rangers estivesse aberta. O senhor foi de facto correcto. Até parecia crescidinho.

Mas no palco, a actuação é diferente. O nosso é o último grupo de uma série de três, com muita gente. E esses grupos mais avançados filtram terreno: descobrem os dragões, ficam a olhar, tirar fotos. E, para o grupo do fim, os bichos já não se confundem com as folhas secas do chão. Depois do grupo seguinte se afastar e estarmos sozinhos, coloca o boné com a ventoínha e chama-nos em direcção aos bichos. Chega perto, demasiadamente perto. Chama-nos para as fotos. E testa reacções com o pau sem forma de lingua de serpente, que traz para a eventualidade de ter de afastar um dragão pelo pescoço. “Venham, venha” seguido de um “toma lá com este pau nos costados a ver se gostas e se reages”. Sempre à procura de reacções, continua a espetar os animais que, com uma dentada provocam a morte de um búfalo de água (e claro, indivíduos também) em cerca de 1 ou 2 dias. E, enquanto morrem, esperam por perto. Houve no passado alguns acidentes com guias. Não me parece estranhar depois de ver estes estagiários procurarem por novos melhores amigos. Arranja um cão, PÁ!
Slideshow Report as Spam

Use this image in your site

Copy and paste this html: