Leste, o lado úmido de Madagascar

Trip Start Oct 12, 2010
1
52
54
Trip End Dec 31, 2012


Loading Map
Map your own trip!
Map Options
Show trip route
Hide lines
shadow

Flag of Madagascar  , MG.04,
Wednesday, August 31, 2011

Por Robson                                              English versionEnglish Version

Esse é o segundo de quatro posts sobre Madagascar na jornada do Projeto 20°12' pela África. O Projeto, tem como objetivo conhecer todos os países na latitude 20º12' Sul e Madagascar foi um dos pontos altos da viagem. Para saber mais, visite a página inicial sobre este blog.

De Antananarivo seguimos para o leste, em direção a Andasibe (Perinet), pouco mais de 3h de estrada.

Por causa do relevo e da localização de Madagascar, com um oceano de um lado e um grande continente do outro, a ilha tem uma diversidade invejável de paisagens e animais. Nosso objetivo neste trecho foi conhecer a região mais úmida do país. O ar úmido vem trazido pelos ventos do Oceano Índico e devido às elevações na parte central do país (de Norte a Sul) esse ar fica parcialmente represado trazendo uma abundância de chuvas aqui. Muito mais que no restante do país.
 
Água em abundância, sempre é sempre bom em Madagascar, uma vez que a cultura do arroz demanda muito e é a base da alimentação no país, como já comentei no post anterior. O que não falta no caminho são plantações.
    
 






















 







 













A estrada é interessante, da saída de Tana até Andasibe a estrada é de mão dupla e corta algumas cidades pequenas, com várias pequenas propriedades, uma antiga montadora de automóveis desativada (também pequena), algumas pequenas estações de trem, e um pequeno Pizza Hut...
 
 
Nossa primeira parada foi na "Mandraka Exotic Farm", um minizoológico particular, com animais endêmicos da região, como crocodilos do Nilo, lagartos, camaleões, sapos, cobras e uma raposa voadora (morcego). O mais legal é que vc pode entrar na área cercada para a maioria dos animais.
 
 















































































































































De lá seguimos para Andasibe (Perinet), da pousada pudemos fazer algumas incursões para ver animais em um ambiente mais natural. A pousada fica no limite do Mantadia National Park, um local bem agradável e possui entre outras coisas, uma lojinha que vende roupas impermeáveis, essencial se vc tiver esquecido...
DICA: Se for à área mais úmida de algum país desconhecido, leve roupas impermeáveis ou capas de chuva, mesmo nos meses "não chuvosos", afinal, tudo é relativo.
 
 









































































A umidade é realmente alta. Apesar de termos ido na época mais seca do ano, pegamos um pouco de chuva, mas com os apetrechos que compramos no lodge pudemos ir à ilha dos lêmures à tarde e dar uma volta num outro zoo/museu particular, onde haviam crocodilos e a famosa fossa, o único predador natural dos lêmures. À noite preferimos não arriscar uma entrada na floresta molhada para conhecer os lêmures de hábitos noturnos. Ficamos no restaurante da pousada tomando um típico vinho malgaxe.
 





















































































































 












 
No segundo dia na região fomos à Reserva Analamazotra, uma das atrações oficiais do Mantadia National Park, onde finalmente entramos na floresta de verdade. Na entrada da reserva, fomos apresentados ao guia do parque que nos acompanhou na busca aos lêmures e outros animais na natureza.
 
 
Ele explicou que essa é a região do lêmur conhecido em Madagascar como Babakoto e no restante do mundo como Indri indri, a maior espécie de lêmur existente hoje. E lá fomos nós mata a dentro para ver e ouvir as estrelas da reserva. Sim, ouvir. Esses animais têm uma vocalização singular e extremamente alta, podendo ser ouvida a uma distância de até dois quilômetros. A Carol conseguiu uma gravação ótima do som. Vale à pena dar o play e se imaginar no meio da floresta, com essa zoeira.
 
 
Os Indri indri são diurnos e muito ativos pela manhã, movendo-se de um lado para o outro de seu território, então não foi tão rápido encontrá-los. Após mais de meia hora de caminhada, cruzando com um grupo escolar que excursionava pela floresta e outros guias que davam dicas de onde tinham visto os animais chegamos a uma família. Ela estava no topo de algumas árvores altas sem dar muito sinal de que desceriam. Partimos então para outra parte do parque, um terreno com muito sobe e desce e trilhas sem sinalização. 
   
 


































































































A última coisa que poderia acontecer naquele momento seria nos perdermos do guia. Mas como ele sabia que os melhores passeios são aqueles "com emoção", de vez em quando ele se embrenhava na mata com a gente, caminhando uns 5 minutos fora da trilha e dizia para nós "não saiam daqui, eu vou procurar uma coisa e já volto". Sumia por outros 5 minutos (que pareciam 20) e voltava para nos levar para outra parte da floresta, onde havia encontrado alguma outra coisa interessante.
 
Nosso tempo foi muito produtivo. Vimos uns 5 tipos diferentes de lêmures (incluindo um grupo de hábitos noturnos, raramente visto à luz do dia), além de um extravagante besouro girafa, lagartos, pássaros e uma cobra (para quem lembra do post anterior, as cobras aqui não são venenosas). 
   

Na saída do parque passamos por um centro de educação aos visitantes, mostrando didaticamente como Madagascar se isolou das outras terras, o aparecimento dos lêmures e de outras espécies de plantas e animais que são endêmicas do país, culminando com a mensagem sobre as consequências da degradação e fragmentação das florestas. E esses são animais que infelizmente estão em alto risco. 









 
 




Depois do almoço, hora de voltar para Antananarivo. Desta vez fomos para outro hotel, próximo ao aeroporto já pensando no voo do dia seguinte, esse hotel é mais moderno que o anterior e, uma curiosidade, além dos itens normais dispunha também de um nobreak. Carga garantida pras nossas baterias.
 
 
----------------------------------------------------------------------------------- 
Siga Nossos Passos:
 
Hospedagem em Andasibe: Vakôna Forest Lodge 
Hospedagem em Antananarivo: Le Relais des Plateau
Agência de viagem: Madagascar Travel and Tours Company
-----------------------------------------------------------------------------------  
Projeto 20°12'............................................Projeto 20º12' : Projeto 2012
www.projeto2012.com.br

My Reviews Of The Places I Stayed



Loading Reviews
Slideshow Report as Spam

Comments

Leandro Leme Neto on

Parabéns Pelas fotos! Estão fodaaaaa!!

foradecasa
foradecasa on

Leandro, valeu pelo comentário. Temos que combinar alguma viagem para cair na água. Abs

Add Comment

Use this image in your site

Copy and paste this html: