Primeira rodada em Nouméa

Trip Start Oct 12, 2010
1
48
54
Trip End Dec 31, 2012


Loading Map
Map your own trip!
Map Options
Show trip route
Hide lines
shadow
Where I stayed
Le Lagon Hotel Noumea
Read my review - 4/5 stars
What I did
Tjibaou Cultural Center Noumea
Read my review - 4/5 stars
Aquarium Lagon
Parc Zoologique et Forestier

Flag of New Caledonia  , Grand Terre,
Sunday, August 21, 2011

Por Robson                                              English version
English Version

Projeto 20°12' tem como objetivo registrar situações de todos os países com terras no paralelo 20°12'Sul. Para saber mais sobre o Projeto 20°12', visite a página inicial sobre este blog.

Bem vindo à França!

 














 
 
A Nova Caledônia não é um país. Assim como a Guiana Francesa, a Polinésia Francesa e algumas outras áreas do mundo, é um Território Ultramarino da "République Française", como está estampado nas notas supercoloridas de francos do pacífico, a moeda local, que é superpovoada de motivos dessa parte da Melanésia.

 

Apesar de ser um território ultramarino, o fato de ter uma moeda local já é uma das demonstrações de autonomia em relação à Metrópole, conquistada pelos Kanaks (povo local). Outra ainda mais forte é o direito de ostentar uma bandeira própria como símbolo oficial. Tudo como desdobramento de discussões que desembocaram no Acordo de Nouméa (1998), que prevê um Congresso Local (apesar de a Nova Caledônia enviar representantes à Câmara e ao Senado). Esse Congresso tem como uma das atribuições, eleger o presidente e o vice, com um detalhe. Se o presidente for "não-separatista", o vice tem que necessariamente ser "separatista". Cláusulas esdrúxulas que devem ter fim após um plebiscito previsto para ocorrer entre 2014 e 2018 sobre a independência da Nova Caledônia ou a manutenção do seu status único na República Francesa.

Chegamos à noite, vindo de Port Vila e já no aeroporto pudemos perceber as diferenças. O aeroporto é bem mais iluminado e amplo, o cuidado na imigração é diferente, a distância do aeroporto à cidade, as estradas, a quantidade de prédios... tudo isso à primeira vista.

No dia seguinte as diferenças continuaram a aparecer. A urbanização da orla, o número de marinas, e o número de carros é estonteante, comparado com Port Vila, o transporte público também é outro ponto de destaque. Os pontos de ônibus exibem os horários e as linhas que passam por ali. Melhor do que na França!

  

























 




 
 O mapa de boias da baía de l'Anse Vata é uma sacada à parte. 

Boias flutuantes definem áreas específicas para os banhistas. Os barcos a vela, os a remo e os motorizados também devem obedecer áreas específicas e não invadir a área alheia. Cada um no seu espaço, para minimizar qualquer conflito. 

Achamos o máximo essa organização!

O que é mesmo que falta para termos algo similar por aqui?



Sem tempo a perder, fomos ao centro da cidade para ver o que havia para ver. Já no caminho vimos que na capital Nouméa e nas redondezas há uma classe média bem desenvolvida, provavelmente em função do mais importante produto de exportação do país, o níquel.

O centro da cidade é bem organizado, uma sequência de praças cercadas por uma área comercial e portuária dá o tom. É uma área simpática. Um mercado central com comércio de frutas, peixes e artesanatos é parada obrigatória para turistas e residentes. Entre os artesanatos à venda, me chamou a atenção os dentes de megalodontes (fósseis de tubarão).

Nas proximidades há ainda o Museu da Nova Caledônia que não conseguimos visitar. As coisas por aqui fecham cedo. Da primeira vez que tentamos entrar (por volta de 4 da tarde), já estava fechando e a pessoa da bilheteria nos recomendou voltar outro dia. No dia seguinte (uma terça-feira) ficamos na porta esperando abrir, mas ele não abre às terças... uma pena, já que as referências do museu são boas.

A baía onde fica o porto turístico tem água limpa e é de onde sai o Betico 2, um catamarã que faz o transporte de pessoas e veículos entre a Grande Terre (ilha em que estávamos, com tamanho comparável a Sergipe) e outras ilhas do arquipélago que compõem a Nova Caledônia. Uma boa para quem não gosta de voar em avião movido a hélice.
  












 
Próxima parada: Aquarium des Lagons (http://www.aquarium.nc/)
Como fãs de aquários, podemos dizer que comparado ao tamanho do país, esse é enorme, já comparado a outros em grandes cidades, é pequeno, mas tem seu charme e atrações que justificam a visita.

As espécies são diversas (li que eram mais de 300 em algum lugar).

Além do cuidado com que tudo é organizado, trago aqui alguns destaques, como uma espécie de tubarão-leopardo, os caranguejos-violinistas que tem a poã maior que o corpo (ou quase), o belíssimo jardim de ostras e a principal atração do local, um fóssil vivo das águas profundas dos mares da Nova Caledônia, o Náutilus. Mas há muito mais a se ver, como peixes-leões, corais fluorescentes, tubarão zebra, tubarão de recife...

  
 

Nautilus    







































O Náutilus é um molusco com vários tentáculos, forma e cores características, como os da foto ao lado, que tirei daqui (as nossas fotos não ficaram boas). 














A arcada ao lado a gente não lembra bem, mas pelo tamanho deve ser de um tubarão branco.
 
 



 
 





 
Depois do Aquarium seguindo pelo calcadão que contorna a Baíla l'Anse Vata chegamos a um restaurante fusion bem bacana onde "passamos bem", afinal eles foram influenciados pelos melhores do ramo.
 

 



 



 
 




Outra prova de como a cultura francesa está arraigada foi essa cena um tanto quanto inusitada. Quem carregaria pedaços de baguete no painel do carro? 







No fim de tarde voltamos para l'Anse Vata. enquanto a molecada saltava de um trampolim instalado no mar, a gente dava uma volta pelo calçadão e observávamos o pôr-do-sol...

   
 









 



















------------------------------------------------------------------------------------ 

DICA pra quem vem por essas bandas: Um dos recursos que usamos para obtenção de moeda local é sacar dinheiro de nossa conta, diretamente no caixa eletrônico por meio da Rede Plus da Visa. 
Aqui na Nova Caledônia quase ficamos na mão. Os saques usando rede Plus não funcionaram durante toda nossa estadia (apesar dos cartões de crédito da Visa serem bem aceitos). Por sorte tínhamos um cartão de bandeira Mastercard - Rede Cirrus, que funcionou sem problemas.

------------------------------------------------------------------------------------ 
Projeto 20°12'............................................Projeto 20º12' : Projeto 2012
www.projeto2012.com.br

My Reviews Of The Places I Stayed



Loading Reviews
Slideshow Report as Spam

Use this image in your site

Copy and paste this html: