Primeiro dia em Botsuana!

Trip Start Oct 12, 2010
1
24
54
Trip End Dec 31, 2012


Loading Map
Map your own trip!
Map Options
Show trip route
Hide lines
shadow
Where I stayed
Ihaha Campsite

Flag of Botswana  ,
Sunday, October 31, 2010

Continuando o Projeto 20°12', chegou o dia de irmos ao próximo dos 12 países que pretendemos visitar até 2012: Botsuana.

No dia 31/out acordamos sob uma forte chuva, fizemos check out do hotel (quase não fizemos porque a máquina do cartão de crédito estava fora do ar. Tivemos que literalmente esvaziar os bolsos para pagar a conta) e pegamos estrada rumo a Botsuana, em menos de 2 horas já estávamos na fronteira.



O posto de Botsuana tem um padrão muito bom. A passagem pelo controle de passaporte foi super tranquila. Existe um acordo diplomático e brasileiros não precisam pagar por visto para entrar no país, só a importação do carro mesmo.

Logo na entrada, passamos por uma barreira sanitária, onde tivemos que descer do carro para
desinfetar os sapatos antes de entrar no país e jogar todos os alimentos in natura fora. Uma medida comum em países que têm plantações ou rebanhos e querem evitar que pragas, como insetos, fungos, ou outros vetores de doenças existentes nos países vizinhos atinjam suas economias. Por sorte, só tivemos que nos desfazer de umas 3 maçãs.

DICA: Se vc for cruzar de carro para Botsuana, planeje com antecedência o consumo de todos os alimentos in natura antes de chegar à fronteira.

A estrada em Botsuana estava em boas condições, bem sinalizada e logo chegamos ao Chobe, um parque safari onde ficaríamos hospedados...





Antes de ir ao parque, ainda passamos na cidade de Kasane. Uma cidade bem pequena, mas com uma estrutura proporcionalmente invejável. Além de aeroporto, posto de gasolina, órgãos do governo relacionado a parques e reservas, há algumas pousadas muito agradáveis, com agências agregadas que organizam passeios no parque de carro e de barco. Mas estavam todas "Fully booked"! Se quiser ficar em uma dessas, faça sua reserva com antecedência. Apesar de ser um domingo, o supermercado estava aberto e havia caixas eletrônicos funcionando também. Ótimo! Já sacamos alguns Pula (o nome do dinheiro local).

 

Um ponto interessante aqui. Como a distância é relativamente curta até Victoria Falls, é possível usar Kasane como base para passeios para Victoria Falls no Zim e no Zam, além dos passeios no Chobe. Na estrada, passamos por alguns ônibus de excursão indo em sentido contrário ao nosso, possivelmente em esquema de bate-e-volta para as Cataratas Victoria.
Sem tempo a perder, fomos ao parque Chobe.

Aproveitamos para sintonizar o rádio em uma estação local e assim que chegamos ao parque estava tocando música baiana! Inusitado!!! Uma banda que nós não conhecíamos, para falar a verdade, mas animava bastante.



A entrada é simples, não há muita informação na portaria. Conseguimos um mapa xerocado e, com base nele (e no GPS), mais algumas informações adicionais com o simpático pessoal do parque, planejamos a saída do parque pelo outro portão, o Ngoma Gate. Logo ao entrar, já começa o rali já que as vias internas são 100% de terra ou areia, e o safari, onde vimos zebras, búfalos, impalas, suricatos, kudu, warthogs, lagartos, crocodilos, jabuti, pássaros em quantidade e variedade até então inéditas e a estrela maior do parque: elefantes. Muitos elefantes mesmo! Segundo a dona da pousada que ficamos em Bulawayo, são 60mil! (número a confirmar)

Chegamos ao acampamento Ihaha, tiramos algumas fotos, curtimos um pôr-do-sol fantástico, com a famosa bola de fogo vermelha no horizonte. Já tínhamos visto um assim no Kruger, mas esse foi o mais bonito pôr-do-sol até então...

Armamos as barracas tentando aproveitar ao máximo a claridade natural do crepúsculo. Fizemos um jantar rápido, que ficou delicioso com o tempero de fome que utilizamos ;-)



Depois de tudo pronto, fomos dormir, já estávamos exaustos.
A infraestrutura do acampamento, construída pr meio de um projeto com o auxílio financeiro da União Européia, é mais rústica do que a dos parques da África do Sul e do Zimbábue. O que nos proporcionou uma experiência sem igual, de proximidade com a natureza.

Basicamente há uma portaria, dois prédios com banheiros e pias para lavar roupas e apetrechos de cozinha e 15 pontos para armar barracas. Em cada ponto, um pequeno platô terraplenado com lugar mais que suficiente para o carro, a barraca e a fogueira, uma mesa de concreto e uma lixeira "à prova" de macacos. Pelo que me lembre, é isso. Nada de cercas. O rio Chobe, que dá nome ao parque, fica a poucos metros do ponto onde armamos o acampamento. Antes do pôr-do-sol, vimos crocodilos e hipopótamos no rio, além de búfalos e aves na margem oposta. Ficamos felizes por nossas barracas serem no topo do carro :-)
Demos sorte ao chegar sem reservas, porque ainda havia 3 pontos livres. Como estávamos com algum tempo, formos conferir os 3 para decidir em qual ficaríamos.

O primeiro deles, na verdade não estava 100% livre. Já havia uma família instalada lá. Uma família de babuínos! Então fomos para o outro ponto. Com esse parecia tudo bem, mas é lógico que fomos ver o terceiro, que estava muito no limite do acampamento, então preferimos voltar e ficar com o intermediário.

 








Voltamos para a portaria, registramos nosso número e o guarda-parque nos informou que depois um pessoal passaria vendendo lenha. Neste momento nos demos conta que não tínhamos fósforos!!! Sem nenhuma vendinha por perto, negociamos os fósforos do próprio guarda-parque.

DICA para acampadores de primeira viagem no Chobe: Levem sua própria caixa de fósforos!!! (o guarda-parque de plantão pode não ser fumante).

Outra opção de passear pela região, é por meio de barcos equipados até com piscina, como o Zambezi Queen.

Tudo certo, enquanto preparávamos o jantar o pessoal que vendia lenha apareceu, compramos dois sacos e o Guilherme usando todas suas habilidades de escoteiro acendeu o fogo, que nos esquentou um pouco e (ao menos na nossa imaginação) espantaria os animais depois que subíssemos para as barracas.

 





A noite foi fantasticamente povoada por sons dos mais variados. Não dá para identificar direito, mas a gente aposta que os roncos foram de hipopótamos! No mais, o esquema do parque pareceu bem seguro. Na verdade, o mapinha que pegamos na entrada tinha algumas indicações interessantes, como "região de zebras", "região de springboks" e realmente vimos esses bichos nesses locais, apesar de não haver limitação para eles irem de um lugar a outro.

------------------------------------------------------------------------------------ 
Projeto 20°12'............................................Projeto 20º12' : Projeto 2012
www.projeto2012.com.br
Slideshow Report as Spam

Comments

heloisa on

Nossa as fotos ficaram ótimas, adorei , não sei se tem coragem de fazer uma viagem desta, vcs estão de parabéns. Muita emoção.

Add Comment

Use this image in your site

Copy and paste this html: