Amoras, ervas daninhas, koalas, aranhas e cobras

Trip Start Jan 15, 2011
1
7
50
Trip End Dec 24, 2011


Loading Map
Map your own trip!
Map Options
Show trip route
Hide lines
shadow
Where I stayed
McLeod Eco Farm

Flag of Australia  , Victoria,
Friday, February 11, 2011

Olá!

cheguei a ilha francesa (french island)! Pois é, depois da festa salsa e de ajudar um pouco nas arrumações, parti à aventura, via eléctrico, comboio, comboio e ferry (longa viagem). Cheguei então a este canto do mundo, onde a Melinda (a dona da quinta) me recebeu e trouxe até à quinta em si, numa viagem onde deu para reconhecer a calmaria que vai por estes lados, já que, numa viagem de cerca de 20 minutos (por uma estrada pouco melhor que terra batida) não passámos por nenhum carro (mas vimos a escola da ilha, que serve 9 crianças). A paisagem é no entanto boa, com largas florestas, campos e o mar sempre à vista, tal como seria antigamente (duvido que muito tenha sido alterado, fora as estradas e as poucas casas existentes).

Depois então de uma pequena tour da quinta, conheci os meus colegas trabalhadores: o Jake, do Maine (EUA) e a Maria, da Alemanha. Ambos estão a fazer WWOOFing (Willing Workers On Organic Farm - trabalhadores "dispostos" em quintas biológicas), sendo que a Maria chegou um dia antes de mim e o Jake já cá estava há um mês. Ambos se revelaram boa companhia, especialmente o Jake, que nos entreteu com histórias inventadas e outras verdadeiras (e bastante assustadoras) sobre as duas cobras que viu cá na ilha - uma das quais bastante venenosa e perigosa. O que me deixa sempre apreensivo, mas esta gente vive cá há 15 anos e ainda cá andam, há que acreditar nas probabilidades, não? É como andar de avião, há quem tenha medo (como a minha pobre tia, um abraço para ela!) mas no fim, basta ver que é muito mais seguro que andar de carro. Aplicarei o mesmo princípio aos tubarões, mais tarde, quando virar Surfer profissional!

Tenho andando então entretido a brincar às quintas. Como o nome indica, tudo aqui é biológico, por isso não há nada de produtos químicos. Juntamente com a Maria, andei então a tirar ervas daninhas das plantações de pepinos, cenouras e afins, à mão e à antiga! Paizinhos, lembram-se de quando fazia tudo para evitar cortar a relva? Pois bem, agora voluntariei-me para isto. O mundo está doido! E moreira, caso estejas a ler, ficarás certamente orgulhoso por já saber distinguir algumas plantas! Pelo menos as cenouras acho que acho já sei reconhecer hehe. E no que toca a ervas daninhas, sou um profissional!

Fora isso andei também a apanhar amoras silvestres (o que dói, fica a nota para futuros aventureiros), roubar ovos as galinhas (o que elas aceitaram pacificamente - já devem estar habituadas) e cortar os extras (raózes e "flor") que vêm acoplados aos alhos (que parece que são vendidos por tipo 25$ o quilo?! devia ter roubado uns quantos).

Por enquanto foi nisso que trabalhei. Quando a lazer (já que só trabalhamos de manha), ontem fui dar um passeio a pé a volta da quinta: esta esta rodeado por um parque natural, e por isso tem uns trilhos para andar. Segui então um que dá 3/4 da volta à quinta (que tem forma mais ou menos quadrado, onde um dos lados é a praia), na esperança de voltar à praia, mas que infelizmente não foi possível. basicamente depois de andar tipo 1 hora (ou mais) descobri que teria que voltar tudo para trás a pé! Note-se que o andar não foi simples, já que não parava de pensar em cobras, e por isso estava sempre a arrastar os pés e/ou a bater com eles, porque toda a gente diz que devemos fazer barulho para que elas se vão embora. À volta (depois da desilusão do beco sem saída) voltei a correr, sendo que ainda me aventurei a  saltar um portão para a quinta e tentar ir por dentro, mas é de facto grande demais. Voltei então atrás, voltei a saltar o portão e de volta ao trilho, que voltei a fazer a correr. Bom exercício! Pelo caminho ainda vi uma teia de aranha enorme (que fotografei, mais uma vez sem escala, sendo que desta vez o raio era de cerca de 20 ou 30 centímetros). Tentei fazer a aranha mostrar-se, atirando bocados de pinhas para a teia (onde ficaram agarrados - uma teia meio forte, portanto), para ver o tamanho (tamanhão?) da coisa que construíra tal teia, mas ela não se mostrou. Sorte a minha? Estava bastante longe da teia, de qualquer maneira. Fiquei foi a pensar como é que a aranha construiu uma teia no meio de 2 árvores que estavam tipo 10 metros uma da outra. Será que voa? Estes bichos aqui são todos doidos...

Falando em animais, ainda não vos falei da coisa mais bonita que por cá anda: koalas! Como não podia deixar de ser, há bastante nesta ilha (parece que são a maior população da Austrália - ou era do mundo todo?), sendo que há uns 5000. Mal cheguei, sentei-me num banquinho a ler um pouco, e quando olhei para a esquerda pela primeira vez vi um koala, sentado serenamente a mastigar um pouco de pinheiro (deve ter-se enganado, já que eles supostamente só comem eucalipto) e a olhar para mim como quem diz "o que é que queres?!".

Mas o melhor dos koalas ficou para hoje: temos uma mãe com o seu filhote nas árvores mesmo junto às nossas celas * (ver fim), só que costumavam estar sempre em ramos muito altos. Hoje de repente notámos que estavam num ramo baixo! Fizemos logo imensas fotos e eu trepei até à árvore para fazer fotos melhores, sendo que consegui até fazer umas festinhas à mãe, os koalas são tão fofos! Vejam as fotos hehe. Fomos depois fazer um passeio'zinho de bicicleta e vimos um koala a andar (eles mexem-se!) pela estrada, provavelmente à procura de uma árvores boa. Fomos ter com ele, com muita foto à mistura, e ficámos a vê-lo andar e, quem diria, correr! Não que o bicho tenha muito jieto para qualquer uma das actividades... Mas pronto, passado algum tempo lá achou uma árvore boa e trepou-a (sendo que olhou de lado para a Maria quando lhe ofereceu umas folhas de eucalipto).

E pronto, foram assim os 2 primeiros dias aqui na quinta! Calminhos mas interessantes, com fauna e flora local, novas pessoas e actividades e novas experiências. Não é isto que se quer? Amanhã dizem que vão estar 40º e há uma praia ao lado da quinta. Sweet!

Abraços,
Daniel

* - digo celas porque isto costumava ser uma prisão baixa segurança (fraudes, etc, nada de homicídios), que foi encerrada em 1975, sendo que a Melinda e o Marc foram os primeiros donos privados deste pedaço de terra (pertencia ao estado). Uma nota: que se saiba, nenhum recluso britânico foi deportado para cá, já estavam todos cá (e por esta altura já se chamavam australianos) quando cometeram os seus crimes. Mas eram provavelmente descendentes de outros reclusos britânicos mandados para o fim do mundo! Ah sim, e digo celas porque nós dormimos nas antigas celas deles, algo no qual eu demorei a reparar, mesmo depois de me interrogar sobre a estupidez das portas, que dão para trancar do lado de fora - às vezes consigo ser um pouco idiota.

----

Entretanto já se passaram 2 dias desde que escrevi isso, mas não aconteceu muito: nas manhãs trabalhei arduamente a (como não podia deixar de ser) arrancar ervas daninhas e apanhar amoras silvestres, e aproveitei o bom tempo para passear pela praia. Tirei umas fotos para verem o aspecto! Tive também o prazer de voltar a ver uma aranha bastante grande (e peluda) a passear pela porta da nossa cozinha, esta sem saber se era uma "apenas" ou uma das piores... E acabei por não ver as tão mal-fadadas cobras! Gostava de ter visto uma, assim a uns 5 metros de distância, mas não apareceram...

Voltei a Melbourne, onde hoje à noite devo ir ter com alguns CS'ers e amanhã parece que há jogo de footy! Devo ir assistir com uns amigos, há-de ser bastante interessante! E coisa mais australiana não há, hehe!!
Slideshow Report as Spam

Comments

nonoca43
nonoca43 on

o que são CS´ers ??

Rita Ferreira on

São couchsurfers! www.Couchsurfing.org =)

Add Comment

Use this image in your site

Copy and paste this html: