Ate agora o mais dificil

Trip Start Oct 01, 2007
1
36
159
Trip End Ongoing


Loading Map
Map your own trip!
Map Options
Show trip route
Hide lines
shadow

Flag of United Kingdom  ,
Wednesday, May 7, 2008

(este relato ficou um pouco longo... creio que por isso que demorei tanto para conseguir escreve-lo)


Mesmo antes de vir pra ca, eu ja tinha medo desta parte. A venda de revistas da rua. Mas antes, vou tentar dar alguns detalhes.

Primeiro, vou responder a pergunta que tanta gente ja me fez: "se voce ja passou 4 meses trabalhando para juntar dinheiro para pagar o treinamento, porque agora tem que vender essas revistas?". Eh uma pergunta importante, claro. Talvez eu devesse adicionar ela na parte do "perguntas frequentes".

Segundo os professores, o motivo eh que o dinheiro que se paga para o treinamento nao cobre totalmente os gastos. Dizem eles que, para tornar o custo mais baixo, eles resolveram, a tempos atras, dividir os custos. Uma parte se paga para entrar e a outra a pessoa tem que juntar enquanto esta no treinamento.

Algumas pessoas aqui criticam esses valores. De minha parte eu confesso que nao tenho uma opiniao certa. Se por um lado parece muito dinheiro para mim (a soma do pagamento mais a parte de arrecadacao), por outro lado eu sei que o custo de tudo aqui na inglaterra eh muito alto. Eu nao sei quanto e quais sao os gastos da escola. Quanto eles gastam para manter estes predios, as contas, os carros e assim por diante.

Imagino que eles tem uma margem de lucro, claro. Mas creio que a situacao financeira da escola nao eh nem tao boa quanto pensam os alunos e as pessoas que criticam a escola, nem tao mal como a situacao descrita pelos professores. Acho que a situacao real seja a "media" entre os que criticam e os que defendem.

Mas esse nao eh o assunto desse topico... o ponto eh, todo aluno, mesmo apos pagar o treinamento, tem uma cota para arrecadar e a fomra mais comum eh, ir par aas ruas vender uma revista da escola. Bem, a revista eh, a meu ver, simbolica. Oficialmente, de acordo com as leis do Reino Unido, nao podemos pedir doacoes nas ruas. Entao "vendemos revistas".

Nao sei exatamente o porque, mas, como ja disse alguns paragrafos atras, eu ja estava com medo dessa parte antes mesmo de chegar. Mas... eu tinha que ir. Entao fui.

Vai ser dificil, pensei, mas possivel. Uma parte eu estava certo, foi dificil. A outra eu estava errado, pois apos tres horas parecia algo, pra mim, impossivel. Durante toda a manha eu fiquei na rua sem se quer abrir a boca. Logo eu, Betuca, tres horas, calado. Nao consegui iniciar uma conversa com ninguem. Nao imaginava que teria um bloquei tao forte, mas tive.

Uma das meninas da minha turma, Laura, vendo o meu desespero, veio a meu socorro. Conversou comigo, tentou me animar, me mostrou como ela fazia e o que dizia. Mas me animar, naquele dia e para aquela tarefa, nao era uma coisa facil. O simples fato de olhar para as pessoas e ver como elas automaticamente desviam o caminho para nao passar onde voce esta, ja era suficiente para me sentir, de certo modo, rejeitado. Sei que essa palavra eh muito forte e que talvez nao faca muito sentido nesse contexto. Mas era assim que eu me sentia.

Depois de muito tentar, finalmente, eu consegui falar as primeira palavras. Fiz o melhor que podia, fui o mais simpatico e sorridente. Mas so consegui manter o animo por alguns minutos. Cada pessoa que passava sem parar tornava a proxima tentativa ainda mais dificil. Entao, parei. Decidi que ja tinha passado o meu limite de tentativas por um dia.

De volta a escola conversei com muitas pessoas. Nao tinha sido facil para ninguem, sem duvida. Mas, de alguma forma, parecia pior para mim. Talvez eu seja mais fraco para enfrentar aquela situacao do que os outros, talvez meu medo seja maior do que o deles, talvez os dois.

Se passaram alguns dias ate termos que ir para a rua de novo. Nesse meio tempo eu nao conseguia pensar em outra coisa. Ate pesadelo eu tive. Nada facil.

Entao veio a segunda tentativa. La estava eu, de novo, vendo as pessoas passar. Uma vez mais eu so olhava e nao conseguia falar. Passei um bom tempo andando de um lado para o outro, mas sem conseguir fazer nada.

Resolvi tentar "achar inspiracao" no japones chamado Yu, que estava a uma esquina de distancia. Fiquei, de longe, observando. Vendo quantas pessoas ele tentava falar e quantas, de fato, paravam. A grande maioria parecia ignorar ele. Creio que uma em cada 15 pessoas parava para ouvir o que ele tinha para dizer. Mas ele seguia tentando. Persistente, determinado (nao eh a toa que ele eh a pessoa com os melhores resultados nas vendas).

Mas pra mim nao parecia tao facil. Eu so precisava me imaginar no lugar onde ele estava, tentando falar com as pessoas, e o medo voltava.

Medo eh assim mesmo. Nao obedece logica, simplesmente esta la, incomodando, fazendo voce suar frio, tirando as palavras da sua boca e dificultadndo o seu raciocinio. Meu lado racional me dizia que "nao era tao dificil". Eu me perguntava "que diferenca vai me fazer se eles param ou nao?". Mas nao funcionava. Nada funcionava.

Depois desses momentos de luta, tive um breve acesso de coragem. Consegui parar tres meninas que estavam passando. Mesmo tremendo e esquecendo quase tudo que eu havia planejado dizer, no final, consegui vender a minha primeira revista. Mas a sensacao boa nao durou muito. Depois de algumas caras feias eu ja estava no mesmo ponto em que comecei. Inconscientemente, eu estava andando em direcao ao terminal de onibus. E assim passei mais varios minutos, lutando entre desistir pegar um onibus para voltar para a escola, ou tentar de novo.

Nesse momento um senhora que ja havia conversado comigo mais cedo, enquanto eu estava parado sem conseguir falar nada com ninguem, me encontrou de novo. Ela olhou pra mim e perguntou como andava a venda das revistas. Antes mesmo de eu responder ela ja estava olhando para o meu rosto e dizendo "isso nao esta lhe fazendo bem. Eh melhor voce voltar. Sua saude eh mais importante do que estas revistas". Creio que minha cara nao devia estar das mais felizes do mundo.

Nao era facil decidir por duas razoes. Primeiro porque admitir uma fraqueza nem sempre eh tao simples. Segundo porque, caso eu voltasse, caso eu desistisse, como eu poderia juntar o dinheiro? Eu sabia que a escola tinha como ajudar algumas pessoas, mas eu tambem sabia que eles querem ter certeza que voce tentou. Alem do mais eles nao tem tantas vagas para outros trabalhos.

Depois de muitas idas e vindas para o terminal de onibus eu decidi. "Admito que tenho medo. Posso ser fraco, mas nao me importo. Prefiro admitir a derrota do que continuar aqui tentando vender estas revistas. Se essa for a unica forma de juntar o dinheiro, a escola nao eh um lugar pra mim".

Agora parece facil pra mim repetir estas palavras. Mau da para entender como eu realmente me senti naquele momento.

Voltei para a escola e me "escondi" em um dos predios que eu sabia que nao havia ninguem. Me sentia muito mau. Desanimado, derrotado, deprimido. Nao queria ver ninguem. So queria estar so, dormir e tentar nao pensar em nada do que tinha acontecido.

No outro dia fui conversar com a professora. Pra minha felicidade, ela foi bastante receptiva e positiva. Disse que me entendia e que sabia que eu tinha feito o melhor que podia. Disse que confiava em mim, que sabia que eu estava sempre disposto a trabalhar e que iriamos encontrar uma outra forma para que eu arrecadasse o dinheiro.

Ate agora tem dado certo. Uma semana por mes temos que estar nas ruas vendendo revistas. Neste mes que passou, todos foram para diferentes pontos, mas eu fiquei aqui. O professor responsavel pelo armazem, meu tao conhecido armazem, me chamou para trabalhar la durante essa semana. Ainda nao tenho nada garantido, ja que nem sempre eh possivel ficar la. Ainda nao sei o que vou fazer na proxima semana de arrecadacao. Mas creio que, de alguma forma, vamos chegar a uma solucao.

Foram somente dois dias tentando. Nunca imaginei que isso pudesse afetar tanto o meu humor e o meu estado de espirito. Que aquela sensacao negativa fosse tao forte a ponto de me fazer pensar em sair daqui. Claro que eu nao iria desistir de seguir este caminho. Ao menos nao agora. A ideia era procurar alguma outra forma de fazer o mesmo tipo de coisa, desde que eu nao precisasse estar nas ruas...

Mas, agora, isso nao importa mais. Continuo aqui e tem dado certo. A maioria das pessoas no meu time tem conseguido melhorar os resultados deles nas vendas de revitas (nos primeiros dias todos foram pessimos).

E assim seguem minha luta e minhas historias... boas ou ruins. Assim vou seguindo meu caminho.
Report as Spam

Comments

rafoso
rafoso on

timidez + sensação de rejeição
Rapaz... acho que venho da mesma linhagem de tímidos que tu (é, vou escrever como eu falo aqui), mas certamente eu evoluí anos luz nos últimos 10 anos. Até curso de oratória fiz. Costumo exercitar a minha cara-de-pau também em diversas situações do cotidiano do dia-a-dia. Não entendo mesmo como tu não conseguiu abordar pessoas que NÃO queriam falar contigo e também NÃO queriam comprar revista alguma? Algumas mulheres NÃO queriam falar ou conhecer o sujeito com quem hoje estão casadas, rá rá rá. Brincadeiras a aprte, um NÃO para a revista é muito mais ameno, porém acho que tu não consegue lidar bem com rejeição, né? Aprendi a ser não reativo, quase indiferente. No modo Betuca de ser eu pensaria assim: 'ah, não quer parar para falar comigo, né mama rola? Então porque não vai tomar bem no meio do olho desse seu [piiiiiii] mago (ou gordo, dependendo do público)'. Só pensar já demonstra certa reatividade, mas é bom para aiviar alguma raiva. Uma possível 'rejeição' em relação a qualquer coisa pouco me incomoda nos dias de hoje. É mais uma questão de estar bem consigo mesmo, e o resto que se foda! Ainda mais no seu caso, onde a causa definitivamente era louvável.

Existe um número em vendas: 20% das pessoas vão lhe receber, e 20% dos 20% vão comprar. Ou seja, a cada 100 pessoas, em média 4 vão comprar. Não ache que foi fraco por não ter conseguido, pois não é uma atividade fácil como se pensa, e de fato nem todos têm o perfil.

Abraço e boa sorte!

Add Comment

Use this image in your site

Copy and paste this html: